sábado, 2 de março de 2013

CONEG: ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL EM FOCO


Tema fará parte de debates e seminários em um dos principais fóruns de deliberação do movimento estudantil

O acesso estudantil à universidade está em crescente expansão, e com processos mais democráticos para o ingresso dos estudantes. Lei de cotas, ampliação das universidades federais e programas de bolsas em universidades privadas como o Prouni vêm contribuindo para esse acontecimento. Contudo, o investimento em políticas que assegurem a permanência do estudante nas instituições de ensino mostra-se insuficiente nesse novo cenário.


Dessa forma, o 61º Conselho Nacional de Entidades Gerais (CONEG) que ocorre na Universidade Paulista – Campus Paraíso – em São Paulo, entre os dias 8 e 10 de março, debaterá a importância da assistência estudantil nas universidades brasileiras.
Para discutir o tema estarão presentes o reitor da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), professor João Luis e o professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Coordenador do Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis (FONAPRACE), Ronaldo Crispim.

As políticas de assistência estudantil e permanência do estudante na universidade estão no topo da lista das reivindicações do movimento estudantil. A necessidade de construção das Casas do Estudante, restaurantes universitários, infraestrutura adequada, possibilidade de acúmulo de bolsas e passe são bandeiras de luta históricas.
Para a diretora da UNE, Camila Moreno, esse é um grande desafio. ‘’ Nós avaliamos que as instituições se democratizaram muito, mas a preocupação com a permanência do estudante não evoluiu na mesma proporção. Pensar coletivamente soluções para garantir que os estudantes permaneçam nas universidades é de extrema importância’’, diz.

1,5 BI PRA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

Atualmente, a verba que o governo destina para o chamado Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) é de 500 milhões.
Em agosto passado, o presidente da UNE, Daniel Iliescu, esteve em reunião com a presidenta Dilma Rousseff, e defendeu a destinação de R$1,5 bilhão para o setor.
“Para transformar a assistência estudantil em política permanente precisaremos de um financiamento de, no mínimo, 1,5 bi. No bojo das discussões do novo PNE, reafirmamos que este é momento de ampliação de direitos, com a destinação de 10% do PIB e 50% dos royalties e do Fundo Social do Pré-Sal para a educação”, pontuou Iliescu.
O seminário de assistência estudantil acontecerá no primeiro dia do CONEG (8/03), a partir das 14h.
Renata Bars

Nenhum comentário:

Postar um comentário