segunda-feira, 24 de junho de 2013

De dentro da Manifestação: Um movimento hoje sem rumo.
Por. Jhonathan Lima - "O gigante ainda não acordou, mas seu sono está mais leve."
N.Sra. da Glória, SE - 24/06/2013

Jhonathan Lima
Estive no último dia 20/06 na cidade de Aracaju, para poder ver no “olho do furacão” o que se passa realmente e as pautas manifestadas pela população, neste caso a sergipana, a respeito da onda de manifestações que tem tomado as ruas de várias cidades brasileiras. Notei que o movimento reivindicatório, é muito bem articulado pelo Brasil, estive em contato com companheiros de São Paulo, Recife, Macapá, Belo Horizonte e Rio Grande do Sul, buscando saber como estavam as manifestações nas respectivas cidades, fiquei atento aos telejornais, as redes sociais, aos sites e blogs mais variados possíveis. Quando saí de casa, já tinha em mente que encontraria um verdadeiro “samba do crioulo doido”. Encontrei-me com um grupo de jovens, na cidade de Itabaiana no agreste sergipano, onde já começou a me intrigar o fato de um militante do PCdoB, com vários camaradas de seu partido, daquela cidade, entoa a palavra de ordem dentro do ônibus, que nos conduzia até Aracaju “Sem partido! Sem partido! Sem partido!”, bom até aí, um pouco de surpresa, mas enfim, viagem segue.


Chegando a Aracaju, nos deparamos com cerca de 20 mil pessoas nas ruas, das mais diversas origens possíveis, e com as mais diversas reivindicações imagináveis e até inimagináveis e aqueles que não sabiam mesmo o que estavam fazendo ali, mas estavam lá, escrevendo a história, havia aqueles também que se faziam presentes apenas para satirizar o movimento e a “grande” minoria realmente estava de maneira séria, com cartazes que tinham pautas importantes ao avanço da sociedade.

Manifestação em Aracaju
Durante todo o trajeto, pude notar um movimento fascista, levando o povo feito gado, utilizando as pessoas como  massa de manobra. Arrisco-me a dizer, sem medo de ser feliz, que cerca de 90% das pessoas que resolveram sair às ruas, naquela tarde noite, do dia 20/06/2013 em Aracaju, posaram de papagaio de pirata, infelizmente, pois todo movimento de mobilização popular deve ser respeitado e amplamente defendido, mas o que me deixou um tanto quanto decepcionado foi ver, de perto, o tamanho ainda da despolitização daquelas pessoas, que certamente deve haver em grande número nas outras cidades das quais eu peguei informações. Vi pessoas tentando criminalizar e nivelando por baixo um projeto de governo, que tem sim também seus equívocos, mas que é amplamente superior aos seus antecessores, vi pessoas segurando cartazes de coisas que nem sabiam o que significavam, mas viram na “TV” e estavam ali, reproduzindo.

Presenciei lá e nas redes sociais jovens de vários lugares do Brasil, uma juventude aguerrida, falando e compartilhando palavras de ordem contra a burguesia, contra a sociedade, contra a política, contra os políticos, uma grande “salada” onde tudo na verdade não era nada. Pessoas que infelizmente, ou até em alguns casos felizmente não tem nenhum contato com a política partidária, já que toda ação social é uma ação política, com um grande sentimento de negação, rejeição de que a única forma de mudar algo no país é pelas vias democráticas da política. Vi pessoas fazendo suas críticas, apenas críticas, nunca dando uma solução. (Ouvi o relato de uma amiga que quase agredida junto com companheiros em Recife, por portarem bandeiras, camisas e faixas que defendiam suas convicções em uma caminhada chamada de pacífica e democrática). Vi levantamento de questionamentos desconexos a respeito das competências dos três poderes dentre outros.


      Eu gostaria de ter visto mais cartazes exigindo a reforma política no país, mais cartazes pedindo a regulamentação da mídia, isso sim consolidará uma democracia no Brasil, mais cartazes contra o estatuto do Nascituro, mais cartazes em defesa dos direitos da mulher, mais cartazes defendendo as minorias, mais cartazes de combate ao racismo, enfim essas e muitas outras pautas que foram deixadas de lado, em detrimento de pautas “criadas” pela grande mídia, debatida nos meios de comunicação com seus apresentadores sensacionalistas e ultraconservadores. Ainda assim, sem ter visto no grande volume que eu desejaria, para compreender que a sociedade vai se politizando, fico feliz, em ver o povo nas ruas, ainda que meio perdidos, reivindicado direitos, apresentando suas queixas, tenho certeza que isso trará resultado, espero que os melhores possíveis e que mais momentos como estes, sejam possíveis, mas que sejam cada vez mais politizados. O gigante ainda não acordou, mas seu sono está mais leve. 

Conecte-se: @JhonathanLimaPT
www.facebook.com/Jhonathan.Lima

Um comentário:

  1. Muito bom! Gostei do que li. Informações de um jovem visionário.
    Só pra registrar:
    A mídia é tão cínica que anda apelidando projetos até de “Cura gay”. Um projeto que na integra não tem nada haver com o que se é discutido e debatido por ai.
    É como já foi dito, existem “N” reivindicações nessas manifestações que estão acontecendo por todo Brasil. É uma grande “salada” de necessidades que deveriam ser prioridades, expostas em cartazes bem criativos, como um desabafo coletivo de um povo que está cansado de tanta corrupção, e de tanto descaso com a saúde e a educação, dentre outras coisas.
    É errôneo culpar o governo Dilma, basta conhecer um pouco de história, ou refrescar a memória, para afirmarmos que já houve tempos piores em outros governos. Hoje somos um país livre e democrático. Já houve melhorias significativas no sistema. No entanto, esta longe do ser o ideal, mas caminha em direção a novos avanços. Agora com o povo realmente cobrando por seus direitos, é a hora de uma merecida REFORMA POLITICA.

    ResponderExcluir