sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Racismo no Brasil? Faça o teste do pescoço!

Este é o espaço do encontro e do reencontro, da roda e da palavra, elementos tão caros à cultura africana. Em nome de todas as entidades… em nome da revolução brasileira… bem vindas/os a nossa casa. Axé!

Basta
Em função do bom debate provocado em minha última publicação, onde relato a campanha e faço a defesa da política de Cotas Raciais nas Universidades Públicas Paulistas, em especial os comentários registrados na postagem do facebook oficial da Carta Capitalofereço aos que insistem em negar a existência do racismo no Brasil, o texto dos meus amigos e companheiros de luta antirracista Francisco Antero e Luh Souza. Mais que pedagógico:

TESTE DO PESCOÇO
Existe racismo no Brasil?  Faça o Teste do Pescoço e descubra.
1. Andando pelas ruas, meta o pescoço dentro das joalherias e conte quantos negros (as) são balconistas.
2. Vá em quaisquer escolas particulares, sobretudo as de ponta, do tipo Objetivo e Dante Alighieri, entre outras, espiche o pescoço para dentro das salas e conte quantos alunos negros  há . Aproveite, conte quantos professores são negros e quantos estão varrendo o chão.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Educação 

Os adolescentes e a filosofia

Em vez de manuais com a história de alguns autores, seria melhor submeter aos estudantes textos de Platão, Kant, Descartes, Rousseau...
por Vladimir Safatle publicado 05/08/2013 09:19

Marcello Casal Jr/ABr
 
Adolescência
Há poucos anos, o ensino de filosofia tornou-se matéria obrigatória para os alunos de ensino médio. Uma decisão acertada que leva em conta a necessidade de estudantes adolescentes desenvolverem habilidades críticas, além de compreenderem a complexidade da gênese de conceitos fundamentais para nossas formas de vida.

De fato, a filosofia, tal como a conhecemos hoje, é o discurso que permite à chamada “experiência do pensamento ocidental” criticar seus próprios valores morais, estéticos, normas sociais e evidências cognitivas. A cláusula restritiva relativa ao “ocidente” justifica-se pelo fato de conhecermos muito pouco a respeito dos sistemas não ocidentais de pensamento. Temos, em larga medida, uma visão estereotipada de que eles ainda seriam fortemente vinculados ao pensamento mítico e, por isso, não teriam algo parecido à nossa razão desencantada, que baseia seus princípios na confrontação das argumentações a partir da procura do melhor argumento.  É provável que em alguns anos tenhamos de rever tal análise.


sábado, 3 de agosto de 2013

Sexo sem consentimento e estupro são a mesma coisa

Violência sexual

Explicações de Marco Feliciano no Twitter foram show de desrespeito à mulher. Por Nádia Lapa, do blog Feminismo para quê?
por Nádia Lapa publicado 02/08/2013 12:11, última modificação 02/08/2013 12:15 
 

feliciano
Pastor Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara

Pastor Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara
Na quinta-feira 1º foi sancionada a lei que obriga os hospitais a oferecerem "atendimento imediato e multidisciplinar para o controle e tratamento dos impactos físicos e emocionais causados pelo estupro". A lei prevê, entre outras medidas, a administração da pílula do dia seguinte; com a medicação, a possibilidade de gravidez decorrente do estupro diminui.
Essa parte da lei desagradou algumas entidades e políticos antiescolha, que aparentemente ignoram o fato de que a pílula já é ministrada nos hospitais de referência, assim como pode ser adquirida em qualquer farmácia.
Parece surreal que políticos e entidades sejam contrários ao atendimento multidisciplinar de vítimas de um crime bárbaro como o estupro. É surreal, na verdade. Como alguém pode ser contrário à orientação correta e segura para salvaguardar a saúde física e mental de uma vítima de tamanha agressão?


quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Os repugnantes anúncios de escravos em jornais do Século 19

Por: Douglas Nascimento 

Abolida em 1888 e considerada uma das grandes contribuições para a queda do Império do Brasil no ano seguinte, a escravidão foi o fato mais obscuro da história do Brasil onde índios e, principalmente, negros eram tratados como animais e sem qualquer direito civil. Pessoas compravam, emprestavam e até alugavam escravos, em uma atividade que movimentava a economia brasileira no século 19.
Os repugnantes anúncios de escravos em jornais do Século 19
Mas como eram feitos os negócios com escravos aqui na cidade de São Paulo ? Como se sabia quem vende, quem compra ou quem aluga ? Como se reportava a fuga de escravos, que cansados de sofrimento tentavam desaparecer da frente de seus proprietários ? Através de anúncios de jornal.
Fizemos uma seleção de 14 anúncios relacionados a escravos do jornal Correio Paulistano que foram veiculados entre os anos de 1857 e 1879. Considerados normais e corriqueiros naqueles tempos, os anúncios hoje causam repulsa e indignação, confira: